Página Inicial > Edson Rocha > ESPIRITISMO E MAÇONARIA

ESPIRITISMO E MAÇONARIA

O Espiritismo é uma Doutrina que se preocupa com o destino do homem, codificado por Alan Kardec, que em 18 abril de 1857 lançou em França o Livro dos Espíritos, livro este que foi totalmente orientado pelos Espíritos.

Esta Doutrina trouxe a toda humanidade o conhecimento espargido em todo o globo, sobre o mundo Espiritual e o caráter da universalidade da lógica da Reencarnação.

A “Word Christian Enciclopédia” da Igreja Anglicana da Inglaterra, editada pela Universidade de Oxford diz o seguinte: “500 pesquisadores e 121 consultores, depois de visitarem 212 países, concluíram em 100 relatórios que, no ano de 2000, a população da Terra alcançaria 6.260.000.000 de habitantes, e que 2/3 dessa população, isto é, cerca de 4.000.000.000 de pessoas, seriam reencarnacionistas”.

Desta forma os conhecimentos trazidos pelos Espíritos e concatenados por Kardec, mostraram que, o homem deveria preocupar se com a sua evolução aqui neste planeta e que deveria mudar seu comportamento para melhor, e que aqui é que estaria a sua grande oportunidade.

Estes conhecimentos vêm nos trazer, as certezas que o homem não deveria esperar pelo céu dos anjos, após a morte, pois isso não existe, é uma utopia, e todos os homens sem distinção devem polir a sua pedra bruta enquanto está aqui.

Pestalozzi, no século dezoito, num de seus livros mais brilhante, “Minhas indagações sobre a marcha do desenvolvimento da humanidade” expõe uma concepção filosófica interessante, que cabe neste texto, apenas para ilustrar os tipos de homens que temos na sociedade contemporânea.

Ele teoriza os três estados como se fossem etapas da evolução do homem e a criança os repete em seu desenvolvimento. Trata-se do estado natural, estado social e estado moral.

O estado natural seria o nível dos instintos, dos impulsos básicos de sobrevivência, estado esse que, compartilhamos com os animais e ao qual estamos mais presos na infância psíquica da humanidade. Tanto o homem primitivo quanto a criança, em sua primeira fase, vivendo mais pelo instinto. Mas o ser humano em geral guarda ainda um vestígio instintivo.

O estado social é aquele em que entramos no momento de nossa socialização, que se dá desde os primeiros agrupamentos humanos e também nas primeiras relações da criança com o seu meio.

Este estado se perpetua, porque o ser humano é um ser social, precisando viver com os seus pares. Para essa convivência, criam-se regras, produzindo costumes, fazem-se leis.

Regras, leis e costumes são mutáveis. Há que se conter, limitar e orientar o homem.

Neste caso cria-se o conflito, porque a regra segura o impulso, mas não o transforma.

Do atrito entre a lei e o instinto entre a regra e o desejo, entre a convenção e o impulso, podem surgir neuroses, desajustes individuais e sociais, ocasionando guerras e revoluções.

O estado moral seria aquele que, além do estado instintivo e social, o ser tem um status moral, que quando despertado, não há necessidade de regras que controlem os instintos, de convenções que imponham limites e punam os infratores.

No estado moral vigora a liberdade do amor, a espontaneidade do bem. Transcende-se o instinto e a lei, não há mais a escravidão aos desejos.

É o plano da autoconstrução onde o homem terá um conceito de religião moral, destituída de qualquer igrejismo, institucionalismo e autoritarismo.

A religião do ser moral é a pura moralidade, ligação direta do homem com a divindade, sem a necessidade de intermediações.

Há muita similitude entre a Maçonaria e o Espiritismo, primeiro o Espiritismo foi aceito por muitos Maçons, pelo fato de estar na França e tanto a Maçonaria quanto o Espiritismo são considerados hereges pela Igreja Católica, ambas sendo perseguidas por ela, até os dias de hoje. Os preceitos éticos e morais da Maçonaria estão presentes nos preceitos éticos e morais no Espiritismo.

Outro fato interessante é que, aqui no Brasil, houve uma época em que foi ventilada a formação de uma Maçonaria Espírita, tamanha era a quantidade de Espíritas Maçons no Grande Oriente do Brasil.

Muito se fala se Allan Kardec foi Maçom, embora não há ainda documentos que comprovem tal fato, mas, lendo seus livros percebe-se que há muitos pensamentos oriundos da Maçonaria, bem como o linguajar.

Na revista Espírita de abril de 1864, têm várias mensagens recebidas por médiuns em reuniões feitas com diversos maçons, em uma destas mensagens está uma que foi do grande mártir dos Templários, Jacques de Molay Aqui relato apenas um trecho.

“No século dezenove o Espiritismo vem, com seu facho luminoso, dar a mão aos Comendadores, aos Rosacruzes e com voz trovejante lhe diz: Vamos meus irmãos; eu sou verdadeiramente a voz que se faz ouvir no Oriente e à qual o Ocidente responde: Glória honra e vitória, aos filhos dos homens.

Ainda alguns dias, e o Espiritismo terá transposto o muro que separa a maioria da parede do templo dos segredos; e, nesse dia, a sociedade verá florescer no seu seio a mais bela flor espírita que, deixando suas pétalas caírem, dará uma semente regeneradora da verdadeira liberdade.

O Espiritismo fez progressos, mas no dia em que tiver dado a mão à Franco-Maçonaria, todas as dificuldades estarão vencidas, todos os obstáculos retirados, a verdade estará esclarecida e o maior progresso moral será realizado e terá transposto os primeiros degraus do trono, onde em breve deverá reinar.”

Quando Allan Kardec morreu em março de 1869, foi sepultado no cemitério Montmadre em Paris, depois de um ano seus restos mortais foram transferidos para um novo cemitério, o Pére Lachaise, construído em Paris, o terreno foi uma doação feita pelo Marquês de Montesquiou que era Maçom. O arquiteto do túmulo de Kardec foi Brongniart, também Maçom.

Outro grande Maçom que foi considerado o “Apostolo do Espiritismo” em todo o mundo.
Nasceu em França e foi contemporâneo de Allan Kardec, estou referindo a Leon Denis, o grande orador, tanto no Espiritismo quanto na Maçonaria.

Suas palestras eram concorridas, foi várias vezes orador da Loja Demofilos, no Grande Oriente de França.

Veja meus irmãos a Maçonaria e o Espiritismo têm similitudes claras que não devemos ignorar, apesar da Maçonaria não ter ligação com qualquer religião, poderíamos dizer que o Espiritismo também não é uma religião e como a Maçonaria é uma instituição Religiosa.

Grato

Edson Rocha

  1. Neto
    8, março, 2012 em 13:50 | #1

    Muito bem. Há outras noticias de que ele seria de um ramo da rosacruz. Como antigamente a rosacruz era “maçônica” (considerados maçons) assim como na maioria das outras ordens antigas (anteriores a 1900), é bem provavel que Allan Kardec realmente fosse um maçom.

    Parabens pelo artigo.

  2. alex
    25, novembro, 2013 em 18:00 | #2

    Concordo plenamente pois a maçonaria prega a prevalência do espírito sobre a matéria e a doutrina espírita também sendo eu candidato aprovado e prestes a ingressar nesta Sublime Ordem tenho convicção de que Allan Kardec era maçom. Parabéns pela matéria tão cheia de inspiração

  3. Rogério Leite da Silva
    22, dezembro, 2013 em 04:49 | #3

    Os preceitos entre o espiritismo e a maçonaria são praticamente os mesmo …. parabéns pela matéria

  4. Luiz
    17, fevereiro, 2014 em 04:12 | #4

    A reencarnação é ensinada em diversas tradições exotéricas e nas religiões originárias da India há mais de 3 mil anos. Budistas e Hinduístas, que juntos somam quase 3 bilhões de pessoas, especialmente na India e China, acreditam em reencarnação. Entretanto, fora da Ásia a crença na reencarnação havia desaparecido devido à expansão do cristianismo e do islamismo, sendo mantida apenas em tradições exotéricas, como o rosacrucianismo, até ter se difundido graças ao trabalho de Kardec e ao contato com as civilizações orientais.

  5. Sergio Rogerio Lampert
    29, julho, 2014 em 16:58 | #5

    Quero apenas acrescentar a guisa de orientação que Allan Kardec foi o pseudônimo usado por Leon Denis para a publicação de suas obras. Allan Kardec teria sido o nome de Leon Denis em uma outra existência, daí a sua escolha pelo pseudônimo.

  6. Paulo Issa
    14, agosto, 2014 em 16:02 | #6

    ero apenas acrescentar a guisa de orientação que Allan Kardec foi o pseudônimo usado por Leon Denis para a publicação de suas obras. Allan Kardec teria sido o nome de Leon Denis em uma outra existência, daí a sua escolha pelo pseudônimo.

    Alan Kardec era pseudônimo de Denizart Rivail e não de Leon Denis, o amigo está completamente enganado

  7. 29, outubro, 2015 em 18:00 | #7

    Espiritismo e Maçonaria
    Por – Gilberto L Tomasi
    Divaldo Pereira Franco, médium e orador espírita, em brilhante palestra, feita na Loja Maçônica Caldas Junior de Porto Alegre, a convite da Grande Loja Maçônica do Rio Grande do Sul no dia 09 de Novembro de 2006, com a presença dos Grão-Mestres da Grande Loja do Rio Grande do Sul, Grande Oriente do Rio Grande do Sul e da Maçonaria Unida do Rio Grande do Sul, faz uma profunda análise sobre os ideais da Maçonaria com ênfase às suas origens remotas na Babilônia, na Mesopotâmia, com seus rituais de iniciação realizados ao ar livre, nas margens do mar morto.
    Apresenta o famoso discurso de Voltaire na sociedade em que recebeu o grau 33 da ordem maçônica, com seu eloqüente testemunho do amor a Deus. Define as palavras maçom e maçonaria, apresentando vultos eminentes que se fizeram adeptos dessa Ordem em todas as épocas da história, principalmente no período das lutas pela independência do Brasil.
    Faz um paralelo com a Doutrina Espírita, salientando os pontos em comum de ambas as filosofias e traçando seus iluminados objetivos que anelam prezam pela dignificação humana. Divaldo reporta-se a alguns pontos básicos da maçonaria como a crença em Deus, a imortalidade da alma e, no seu cerne de solidariedade, o amor, a caridade, tal qual a Doutrina Espírita, que vem abrindo campo imenso à investigação nas questões do espírito, que sendo esta uma ciência de pesquisa, busca igualmente decifrar o enigma do existir. “caminhando ao lado da maçonaria, porquanto apóia os seus postulados e entende, na sua simbologia, o milagre dos acontecimentos disfarçados de mistérios, desde os tempos da idade média, preparando o ser humano para os grandes vôos do infinito”, como assim se referiu. Em uma bela citação, Divaldo destacou dois grandes espíritas maçons, Camille Flammarion e Leon Dennis, este, maçom emérito, grau 33, que afirmava ser a maçonaria um dos belos caminhos para a dignificação da criatura humana e o seu encontro com a plenitude Divina.
    Reina até hoje no movimento espírita uma séria dúvida em saber se Allan Kardec, codificador da Doutrina, teria ou não sido maçom, muito embora use em suas obras termos maçons, como “arquiteto” para se referenciar a Deus, pedra angular, prumo, etc. Não que isto tenha importância para esta ou aquela filosofia, mas permitiria conhecer melhor a opinião de Kardec sobre a instituição maçônica. André Morel, conceituado biógrafo de Kardec, parece inclinado a responder de forma positiva, dizendo que não sabe em que Loja ele foi iniciado. Kardec, foi discípulo de Mesmer que era Maçom, e Leon Dennis, seu discípulo, também era.
    Deixando de lado essa polêmica, a verdade é que o Espiritismo e a Maçonaria tem inegáveis pontos em comum, e juntos poderão acelerar o progresso da Humanidade e o estabelecimento da justiça social, sobretudo através da perfeição moral dos espíritas e maçons.
    A Maçonaria tem por fim a melhoria moral e material do homem, por princípios, a lei do progresso da humanidade, as idéias filosóficas de tolerância, fraternidade, igualdade e liberdade, abstração feita da fé religiosa ou política, das nacionalidades e das diferenças sociais.
    O espiritismo moral e social iria dizer justamente a mesma coisa. Os princípios filosóficos são absolutamente idênticos: a)Existência de Deus, b)Imortalidade da alma, c)Solidariedade humana.
    Em sessão da Sociedade Espírita de Paris do dia 25 de fevereiro de 1864, várias dissertações foram obtidas sobre o concurso que o Espiritismo poderia encontrar na Francomaçonaria, que depois foram publicadas na Revista Espírita de abril de 1864. Comunicaram-se naquela oportunidade os Espíritos Guttemberg (Médium: Sr Leymare), Jacques de Molé (Médium: Srta.Bréguet) e o francomaçom Vaucanson (Médium: Sr.D’Ambel.).
    Nestas comunicações, usando o método de perguntas e respostas, os espíritos comentam sobre a importância da Maçonaria, a afinidade existente em Maçonaria e o Espiritismo, o conhecimento dos Maçons sobre a Doutrina Espírita, a aceitação das idéias Espíritas. Vejamos um trecho: (…) Os homens inteligentes da Maçonaria vos bendirão por sua vez; pois a moral dos Espíritos dará um corpo a esta seita tão comprometida, tão temida, mas que tem feito mais do que se pensa. Tudo tem um parto laborioso, uma afinidade misteriosa; e se isto existe para o que perturba as camadas sociais, é muito mais verdadeiro para o que conduz o progresso moral dos povos. Ainda alguns dias, e o Espiritismo terá transposto o muro que separa a maioria das paredes do templo dos segredos, nesse dia, a sociedade verá florescer no seu seio a mais bela flor espírita que, deixando suas pétalas caírem, dará uma semente regeneradora da verdadeira liberdade . Agora, glória ao Grande Arquiteto do Universo.
    Fontes:
    Site: http://www.divaldofranco.com/noticias.php?not=33
    Palestra de Divaldo em 1994 na cidade de Americana (SP) pela Loja Maçônica Sublime Universo 125:http://youtu.be/1P6dpb6zD3g
    Revista Espírita – edição 04/1864
    Leon Dennis e a maçonaria – Eduardo Carvalho Monteiro
    Postado por JOILSON J G MENDES às 08:17

  8. 6, novembro, 2015 em 16:37 | #8

    MISSÃO DO HOMEM INTELIGENTE NA TERRA

    Muitas vezes se ouve “Qual será a minha missão, sei que tenho algo para fazer na Terra, mas o que é?”

    Todos trazemos como missão o nosso melhoramento, crescimento espiritual e contributo Aqueles que nos rodeiam, aplicado com correção e responsabilidade os atributos de que Deus nos investiu para mais uma jornada terrena.

    A inteligência é concedida ao homem como mecanismo evolutivo…

    “A inteligência é rica em méritos para o futuro, mas com a condição de ser bem empregada. Se todos os homens bem dotados se servissem dela segundo os desígnios de Deus, a tarefa dos Espíritos seria fácil, ao fazerem progredir a humanidade. Muitos, infelizmente, a transformaram em instrumento de orgulho e de perdição para si mesmos. O homem abusa de sua inteligência, como de todas as suas faculdades, mas não lhe faltam lições, advertindo-o de que uma poderosa mão pode retirar-lhe o que ela mesma lhe deu.” (E.S.E. Cap. VII; II, item 13)

    Do Livro dos Espíritos II – Cap. 4 – PRINCÍPIO VITAL – III “Inteligência e Instinto”

    Q. – A inteligência é um atributo do princípio vital?
    R. — Não; pois as plantas vivem e não pensam, tendo apenas a vida orgânica. A inteligência e a matéria são independentes, pois um corpo pode viver sem inteligência; mas a inteligência não pode manifestar-se senão por meio dos órgãos materiais: somente a união com o espírito dá a inteligência à matéria animalizada.

    “Comentário de Allan Kardec: A inteligência é uma faculdade especial, própria de certas classes de seres orgânicos, aos quais dá, com o pensamento, a vontade de agir, a consciência de sua existência e de sua individualidade, assim como os meios de estabelecer relações com o mundo exterior e de prover às suas necessidades.”
    “Não vos orgulheis por aquilo que sabeis, porque esse saber tem limites bem estreitos, no mundo que habitais. Mesmo supondo que sejais uma das sumidades desse globo, não tendes nenhuma razão para vos envaidecer. Se Deus, nos seus desígnios, vos fez nascer num meio onde pudestes desenvolver a vossa inteligência, foi por querer que a usásseis em benefício de todos. Porque é uma missão que Ele vos dá, pondo em vossas mãos o instrumento com o qual podeis desenvolver, ao vosso redor, as inteligências retardatárias e conduzi-las a Deus.” (E.S.E. Cap. VII – II – item 13)

    “À medida que a responsabilidade se lhe apossou do espírito, iluminou-se a consciência do homem.(…)”

    “Faminto de elucidações adequadas quanto ao próprio caminho, ergue as antenas mentais para as estrelas, recolhendo os valores do Espírito que lhe consubstanciam o patrimônio de revelações do Céu, através dos tempos.(…)”

    “Estabelecido, porém, o princípio de justiça e aflorando a mentação incessante, o homem começou a examinar em si mesmo o efeito das próprias ações, de modo a crescer, conscientemente, para a sua destinação de filho de Deus, herdeiro e colaborador da Sua Obra Divina.

    “A inteligência humana entendeu a grandeza do Universo e compreendeu a própria humildade, reconhecendo em suas entranhas a ideia inalienável de Deus.” (André Luiz, livro “Evolução em Dois Mundos”)

    Observemos atentamente as nossas faculdades morais, intelectuais e físicas e lembremos que nada nos foi dado por acaso, tudo tem um objetivo providencial, desta forma não desperdicemos os nossos talentos nem as oportunidades de cada dia na Terra.

    Fonte: CEFE – Évora

    Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/portugal/missao-do-homem-inteligente-na-terra-53698/#ixzz3qX4IeOsX

  9. 6, novembro, 2015 em 16:46 | #9

    ENCARNAÇÃO DO ESPÍRITO DA VERDADE
    (GL.1.9) ASSIM JÁ DISSEMOS, E AGORA REPITO: (AP.22.18) EU, A TODO AQUELE QUE OUVE AS PALAVRAS DA PROFECIA DETE LIVRO, TESTIFICO: (JB.14.17) O ESPÍRITO DA VERDADE QUE O MUNDO NÃO PODE RECEBER, PORQUE NÃO NO VÊ NEM O CONHECE, VÓS O CONHECEIS; PORQUE ELE HABITA CONVOSCO E ESTARÁ EM VÓS, (SL.33.19) PARA LIVRAR-LHES A ALMA DA MORTE, E NO TEMPO DA FOME CONSERVAR-LHES A VIDA: (MC.15.28) E CUMPRIU-SE A ESCRITURA QUE DIZ: (MT.1.23) EIS QUE A VIRGEM CONCEBERÁ E DARÁ A LUZ UM FILHO, E ELE SERÁ CHAMADO PELO NOME DE EMANUEL (QUE QUER DIZER: DEUS CONOSCO):
    ATÉ QUE ENFIM…
    AGORA, OS IDOLATRAS JÁ NAO PODERAO CONTINUAR AFASTANDO A ALMA HUMANA DO ESPÍRITO DE DEUS IMPUNIMENTE; PORQUE JÁ SÃO PECADORES CONSCIENTES: JÁ NAO PODERÃO CONTINUAR PERPETUANDO A IGNORÂNCIA NA TERRA, CAUSANDO O SOFRIMENTO DO MEU POVO, E A DESTRUIÇÃO DO NOSSO PLANETA; PORQUE A MENTIRA JÁ NÃO PODE PREVALECER CONTRA A VERDADE ETERNA DOS MEUS TESTEMUNHOS ESPIRITUAIS, ASSIM SINTETIZADA:

    Paz à todos!

    Este tópico tem a finalidade de reunir algumas referências a respeito da encarnação do Espírito da Verdade para o período atual de transição planetária. Não serão mostradas as mensagens na íntegra, mas serão mencionadas as obras das quais os trechos foram extraídos, para quem quiser conferir posteriormente. Muitos estudiosos espíritas, para não dizer todos, fazem uma vista grossa para este magno acontecimento. Sendo assim, fazendo menção à parábola evangélica As Dez Virgens, perguntamos: estamos nos assemelhando às virgens loucas ou às virgens prudentes, quando o Noivo divino já está chegando? O real preparo está sendo realizado para receber Ensinamentos de ordem mais elevada, pelo novo Enviado de Deus à face da Terra? Quando uma nova luz iluminar o entendimento humano a respeito da Verdade Eterna através do Espírito da Verdade encarnado, estaremos preparados para recebê-la, ainda mais se estiver fora das nossas expectativas? Receberemos o Enviado mesmo se ele não estiver vinculado diretamente e atuante no Espiritismo? É, no mínimo, para refletir sobre o assunto.

    1 – “Vimos preparar os caminhos para que as profecias se cumpram. Quando o Senhor vos der uma manifestação mais retumbante da sua clemência, que o enviado celeste já vos encontre formando uma grande família; que os vossos corações, mansos e humildes, sejam dignos de ouvir a palavra divina que Ele vos vem trazer; que ao eleito somente se deparem em seu caminho as palmas que aí tenhais deposto, volvendo ao bem, à caridade, à fraternidade.” (O Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap. VII, Instruções do Espíritos, mensagem O Orgulho e a Humildade, 12º parágrafo, pelo espírito Lacordaire)

    2. – “(…) mas há outros [seres] cuja missão é agir sobre a Humanidade inteira, que não aparecem senão nas épocas mais raras, que marcam a era das transformações gerais.
    Jesus-Cristo foi um destes enviados excepcionais; do mesmo modo tereis, para os tempos chegados, um Espírito superior que dirigirá o movimento de conjunto e dará uma coesão poderosa às forças esparsas do Espiritismo. (…) Limito-me a dizer-vos: Esperai e orai., porque o tempo é chegado e o novo Messias não vos faltará: Deus saberá designá-lo a seu tempo. E, aliás, é por suas obras que ele se afirmará.” (Revista Espírita, ano 1868, mês Fevereiro, Instruções do Espíritos, 3ª mensagem, Os Messias do Espiritismo, pelo espírito Baluze)

    3 – “(…) Não fiqueis, pois, admirados de todas as comunicações que vos anunciam a vinda de um Espírito poderoso sob o nome do Cristo; (…) Se o Messias de que falam essas comunicações não é a personalidade de Jesus, é o mesmo pensamento. É aquele que Jesus anunciou, quando disse: ‘Eu vos enviarei oEspírito de Verdade, que deve restabelecer todas as coisas’, isto é, reconduzir os homens à sã interpretação de seus ensinamentos, porque ele previa que os homens se desviariam do caminho que lhes havia traçado. (…) Quando todas as bases estiverem postas, então virá o Messias, que deve coroar o edifício e presidir à reorganização, auxiliado pelos elementos que tiverem sido preparados” (Revista Espírita, ano 1868, mês Fevereiro, Instruções do Espíritos, 4ª mensagem, Os Messias do Espiritismo, pelo espírito Lacordaire)

    4 – “(…) Esse glorioso futuro que vos anunciamos será realizado pela vinda de um Espírito superior, que resumirá, na essência de sua perfeição, todas as doutrinas antigas e novas, e que, pela autoridade de sua palavra, ligará os homens às crenças novas. (…) Perguntais se esse novo Messias é a pessoa mesma de Jesus de Nazaré? Que vos importa, se é o mesmo pensamento que os anima a ambos? (…) Espíritas! Compreendei a gravidade de vossas missão; estremecei de alegria, porque não está longe a hora em que o divino enviado alegrará o mundo. (…) A ignorância e a perturbação ainda vos ocultam uma parte da verdade que só o celeste Mensageiro vos pode revelar inteiramente.” (Revista Espírita, ano 1868, mês Fevereiro, Instruções do Espíritos, 6ª mensagem, Os Espíritos Marcados, pelo espírito São Luís)

    5 – “(…) Sim, meus filhos, o povo se comprimirá sobre os passos do novo mensageiro anunciado pelo próprio Cristo, e todos virão escutar essa divina palavra, porque nela reconhecerão a linguagem da verdade e o caminho da salvação.” (Revista Espírita, ano 1868, mês Fevereiro, Instruções do Espíritos, 7ª mensagem, Os Espíritos Marcados, pelo espírito Lamennais)

    6 – “(…) Novas raças saídas das altas esferas vêm rodopiar em torno de vós, esperando a hora de sua encarnação messiânica (…). Estamos e ficaremos convosco, sob a égide do Espírito de Verdade, meu e vosso mestre.” (Revista Espírita, ano 1868, mês Fevereiro, Instruções do Espíritos, 8ª mensagem, Futuro do Espiritismo, pelo espírito Erasto)

    7 – “(…) as virtudes dos céus já se abalam e as estrelas caem de sua abóbada, mas transformadas em Espíritos puros, que vêm, como anuncia a Escritura em linguagem figurada, proclamar sobre as ruínas do velho mundo, o advento do Filho do Homem.” (Revista Espírita, ano 1868, mês Fevereiro, Instruções do Espíritos, 10ª mensagem, As Estrelas Cairão do Céu, pelo espírito Dupuch)

    8. – “Povos, escutai!… Uma voz se faz ouvir de um extremo ao outro do mundo: é a do precursor anunciando a vinda do Espírito de Verdade, que vem endireitar os caminhos tortuosos por onde o espírito humano se desgarrava em falsos sofismas. (…) O Espiritismo é essa voz poderosa que já repercute até os confins da Terra; todos a ouvirão.” (Revista Espírita, ano 1868, mês Fevereiro, Instruções do Espíritos, 11ª mensagem, Os Mortos Sairão de Seus Túmulos, pelo espírito João Evangelista)

    9 – “(…) A vinda do Messias, como fato geral, está anunciada, porque era útil que dela se estivesse prevenido; é uma garantia do futuro e um motivo de tranquilidade, mas as individualidades não devem revelar-se senão por seus atos. (…)” (Revista Espírita, ano 1868, mês Março, Comentários Sobre os Messias do Espiritismo, 4º tópico, 8º parágrafo, por Allan Kardec)

    10 – “(…) Moisés é o tempo passado; o Cristo, o tempo presente; o Messias a vir, que é o amanhã, ainda não apareceu… Moisés tinha que combater a idolatria; o Cristo, os fariseus; o Messias a vir terá também os seus adversários: a incredulidade, o cepticismo, o materialismo, o ateísmo e todos os vícios que acabrunham o gênero humano… (…) Mas esse Messias que deve vir é o próprio Cristo? questão difícil de compreender no tempo presente, e que amanhã será esclarecida. (…) É o Espiritismo que deve remover as grandes pedras que poderiam dificultar a passagem daquele que deve vir. Esse homem será poderoso e forte, e numerosos Espíritos estão na Terra para aplanar o caminho e fazer cumprir o que foi predito. (…) Esse novo Messias será chamado o Cristo? É uma pergunta que não posso responder; esperai o amanhã. (…) trabalhai sobre vós mesmos para vos regenerardes, a fim de que o Mestre vos encontre preparados.” (Revista Espírita, ano 1868, mês Maio, Dissertação dos Espíritos, mensagem Ontem, Hoje e Amanhã, pelo Espírito da Fé)

    11. – – “(…) Todos somos chamados ao grande labor e o nosso mais sublime dever é responder aos apelos do Escolhido. (A Caminho da Luz, cap. XXV, O Evangelho e o Futuro, 24ª parágrafo, pelo espírito Emmanuel) Setembro/201
    Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/artigos-espiritas/encarnacao-do-espirito-da-verdade/#ixzz3mTdR8eBO

  10. Luiz Eduardo
    5, abril, 2016 em 18:08 | #10

    Paulo Issa :

    ero apenas acrescentar a guisa de orientação que Allan Kardec foi o pseudônimo usado por Leon Denis para a publicação de suas obras. Allan Kardec teria sido o nome de Leon Denis em uma outra existência, daí a sua escolha pelo pseudônimo.
    Alan Kardec era pseudônimo de Denizart Rivail e não de Leon Denis, o amigo está completamente enganado
    Allan Kardec foi o nome que Denizart Rivail, utilizou para a divulgação da Doutrina Espírita. O pseudônimo Allan Kardec, usava-o por ter sido o seu nome, quando esteve encarnado como sacerdote druida.

  11. 13, janeiro, 2017 em 17:41 | #11

    O BRASIL ESPÍRITA E A TRANSIÇÃO PLANETÁRIA

    As previsões referentes à transição planetária dão ênfase a dificuldades a serem enfrentadas nos mais diversos setores das organizações humanas, além de fenômenos geológicos que, de certa forma, sempre ocorrem no planeta. Na verdade, podemos esperar dias difíceis, alimentando sempre a certeza de que seremos auxiliados pelas esferas superiores da Espiritualidade. A encarnação de Espíritos preparados para as esperadas mudanças está sendo feita, conforme noticiam as mensagens recebidas do Plano Espiritual.1 A separação de Espíritos que deverão ser transferidos para outro ou outros planetas também está sendo providenciada. Entretanto, necessitamos ser cautelosos quanto às informações que continuamos recebendo.

    Com relação ao papel que, nessa transição, cabe ao Brasil como “coração do mundo e pátria do Evangelho” devemos, igualmente, ser cuidadosos. A divulgação e a consolidação do Movimento Espírita em nossa pátria nos atribuem tarefas de grande responsabilidade. É preocupante identificarmos, por vezes, certo ufanismo e excesso de entusiasmo por parte de alguns espíritas. É importante também não nos esquecermos de que a Humanidade terrena é uma só, exigindo respeito mútuo entre os seus habitantes, além de um sentimento autêntico e profundo de fraternidade envolvendo encarnados e desencarnados.

    As considerações com as quais iniciamos o presente texto não contradizem aquelas apresentadas pelo autor espiritual Humberto de Campos,2 quando nos relata sobre o “resplandecer [da] suave luz do Espiritismo”2 com a Codificação coordenada por Allan Kardec para orientar as “profundas transições do século XX”.2 Como parte dessas transições, realizaram-se as primeiras experiências doutrinárias e associativas espíritas em nosso país, sempre sob a direção do mundo invisível.
    Pela mediunidade de Francisco Cândido Xavier, relata-nos ainda o cronista, que seria mais tarde conhecido por Irmão X, que ao findar o Primeiro Reinado Israel reuniu-se com dedicados companheiros de luta na Espiritualidade para esclarecer que

    […] o século atual [séc. XX] […] vai ser assinalado pelo advento do Consolador à face da Terra. Nestes cem anos se efetuarão os grandes movimentos preparatórios dos outros cem anos que hão de vir. […] É preciso, pois, preparemos o terreno para a sua estabilidade moral nesses instantes decisivos dos seus destinos. Numerosas fileiras de missionários encontram-se disseminadas entre as nações da Terra, com o fim de levantar a palavra da Boa-Nova do Senhor […] a fim de que o século XX seja devidamente esclarecido, como o elemento de ligação entre a civilização em vias de desaparecer e a civilização do futuro, que assentará na fraternidade e na justiça […].2

    Analisando a paisagem brasileira sob o aspecto espiritual, observa-se que o nosso país está povoado de ideologias e grupos religiosos refletindo a paisagem do novo século já iniciado. Cabe aos adeptos da Doutrina Espírita, que são também seguidores do Evangelho de Jesus, concentrar suas atividades no esclarecimento e na educação dos Espíritos.
    Prosseguimos com mais uma observação de Irmão X na obra já referida:

    […] Só o legítimo ideal cristão, reconhecendo que o reino de Deus ainda não é deste mundo, poderá, com a sua esperança e com o seu exemplo, espiritualizar o ser humano, espalhando com os seus labores e sacrifícios, as sementes produtivas na construção da sociedade do futuro.2
    A essência da transformação que se opera em nosso planeta tem um caráter intelecto-moral. Em outras palavras, o objetivo central da transição iniciada é a compreensão da realidade espiritual da vida e o desenvolvimento da verdadeira fraternidade universal. Os objetivos já estão delineados desde a mensagem sublime ditada a Moisés, relembrada e exemplificada por Jesus, e enfatizada pelos Espíritos que presidem a revelação da Doutrina Espírita na expressão simplificada do amor a Deus e ao próximo.3

    É importante para nós, adeptos do Espiritismo em nosso país, não nos esquecermos da humildade. Não há privilegio nessa tarefa, mas apenas objetivos elevados a serem perseguidos também pelos irmãos de Doutrina de outras nações. Não existem fronteiras para as relações da verdadeira fraternidade. Mantenhamo-nos unidos nessa tarefa de caráter universal, exemplificando o amor e a solidariedade que deverão caracterizar a Terra como mundo de regeneração.

    Referências:
    1 Franco, Divaldo P. Transição planetária. Pelo Espírito Manoel Philomeno de Miranda. 2. ed. 2. reimp. Salvador: Leal, 2010. Introdução.
    2 Xavier, Francisco C. Brasil, coração do mundo, pátria do evangelho. Pelo Espírito Humberto de Campos. 34. ed. 8. imp. Brasília: FEB, 2015. Cap. 22 e 30.
    3 Kardec, Allan. O evangelho segundo o espiritismo. Trad. Guillon Ribeiro. 131. Ed. 6. imp. (Edição Histórica.) Brasília: FEB, 2015. Cap 1.Fonte: Revista Reformador, janeiro/2007

    Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/meditacao-diaria/o-brasil-espirita-e-a-transicao-planetaria/#ixzz4VeMQZTZB

    Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/meditacao-diaria/o-brasil-espirita-e-a-transicao-planetaria/#ixzz4VeM4Mu5p

    Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/meditacao-diaria/o-brasil-espirita-e-a-transicao-planetaria/#ixzz4VeLrHFvd

  12. 31, janeiro, 2017 em 12:03 | #12

    ESPIRITISMO FILOSÓFICO: UMA REDUNDÂNCIA
    VIVA JESUS!

    Bom-dia! queridos irmãos.

    No livro O que é o Espiritismo, Alan Kardec define a doutrina espírita como ciência e filosofia, deixando claro que o objetivo desta obra não é ser uma religião no sentido comum desta palavra. E explica que é ciência, porque estuda através da observação a relação do nosso mundo com o mundo espiritual. E é filosofia porque estuda através da razão as consequências desta relação.

    Necessariamente o Espiritismo quando bem observado nos faz pessoas melhores, porque com ele aprendemos as leis que regem o universo, especialmente a lei de ação e reação, que nos mostra que não há acaso e que tudo aquilo que plantamos iremos também colher. Ou seja, não somos vítimas de nada, mas os autores de nossa própria história, estagiando neste plano por um curto espaço de tempo para aprender e resgatar dívidas do passado, sem o que não teríamos paz interior para seguir nossa viagem rumo ao infinito. Portanto, pode-se afirmar que é esta uma doutrina científica e filosófica de consequências morais.

    Logo, dizer que o Espiritismo é uma filosofia é uma redundância, mas que se faz necessária, devido ao grande número de trabalhadores que têm, ainda que de boa-fé, contribuído para mistificar a doutrina, criando inclusive dogmas e rituais, como nas escolas religiosas de até então, que nada acrescentam à alma, servindo mais à forma que ao fundo, e desviando assim o foco que é a transformação moral das criaturas humanas deste mundo.
    Importante notar que tanto a ciência como a filosofia necessitam de métodos racionais para serem bem desenvolvidas e produzirem os frutos desejados que, neste caso específico da doutrina espírita, são: esclarecer e consolar. Daí a necessidade daqueles que querem contribuir com o seu desenvolvimento, o que significa contribuir com o progresso e bem-estar, a curto e longo prazo, dos seus semelhantes, seres questionadores e estudiosos, sempre com a humildade dos que têm consciência de que pouca coisa sabemos a respeito da grandeza da obra da criação.

    Isso porque, caso contrário, estaremos apenas contribuindo para a formação de fanáticos de uma escola doutrinária mística e que nada poderá ofertar de real para o fortalecimento e crescimento espiritual dos seres que a buscam como socorro para suas angústias. Daí serem os dois primeiros mandamentos espíritas: “amai-vos e instruí-vos”.

    Rodinei Moura

    Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-que-e-o-espiritismo/espiritismo-filosofico-uma-redundancia-necessaria/#ixzz4XFh4SC8G

  13. 3, julho, 2017 em 16:28 | #13

    EIS-ME AQUI

    A alma encorajada pela fé deve buscar sempre em si mesma a presença amorosa de Jesus.

    Aquele que busca o Mestre em seus próprios sentimentos é capaz de perceber como os seus atos estão se aprimorando perante os ensinos e exemplos do Modelo e Guia do amor e da verdade.

    Na seara de reparação moral da qual fazemos parte em trabalho e redenção, que se chama Seara Espírita, somos convocados a dissolver as evidentes formas frágeis de nosso egoísmo e orgulho. Se queremos verdadeiramente auxiliar na transformação moral da humanidade, jamais deveremos nos declinar de por em prática as luzes que clarificam o recôndido dos nossos pensamentos que, muitas vezes, pedem reajustamento e correção em sintonia com as Leis Divinas, para que nos tornemos instrumentos úteis e não a pedra de tropeço que expressa sobreposições de nosso ego nos compromissos do trabalho Espírita. A ideia elevada produz indubiltavelmente os resultados de serenidade e maturidade naqueles que se entreguam dóceis aos conceitos de virtudes e sabedoria.

    Quem poderá vencer a vontade de Deus com todas as primorosas e imperceptíveis formas de alcançar o coração dos homens? A dor que dilacera o coração vazio de sentido existencial e move o ser humano ao cansaço moral por se manter inerte no aprimoramento de si mesmo é muito diferente da dor sacrossanta da fidelidade a Jesus. A dor da fidelidade é permeada pela compaixão e altruísmo por aqueles que estão rebeldes e distantes da compreensão simples, celeste e amorosa da mensagem do Mestre. Tudo na vida é convite a pacificar a própria alma e nada se posiciona contra nenhum ser da Criação.
    Por que colocar o tempo, a inteligência, os sentimentos e as ideias para se fazer contrário e adversário de quem quer que seja? Quando nosso olhar objetiva a olhar o infinito e sua grandeza, podemos perceber que jamais uma estrela busca apagar a outra e nenhuma galáxia sente o prazer em perturbar a paz do Universo em tentativa vã de se destacar.

    O tempo atual não é para o destaque das atmosferas belicosas das opiniões pessoais! O tempo é essencialmente para amarmos uns aos outros, sem impecilhos de posições ou funções. Admitamos sempre que enquanto trabalhamos para a realização do propósito iluminativo de Deus na terra, os cooperadores do Cristo nas esferas elevadas já sabem como as situações e ocorrências vão se desdobrar nos degraus das décadas pela grande escada dos séculos.

    Sirvamos, pois, com o sentimento de vitória, porque o Cristo se fez vencedor, desde o dia que misericordiosamente nos permitiu renascer, incontáveis vezes no amado globo que chamamos de lar terrestre. Ele está com todos os corações fiéis, auxiliando em tudo para que a força do amor sempre realize os objetivos divinos no coração do homem. Lembremos que quando as provações se tornarem insuportáveis ou os conflitos inadequados se tornarem quase insolúveis o Mestre estará nos aguardando no coração, com o seu amor, nos colocando a sua amorosa frase: Eis-me aqui!

    Honório.

    (Mensagem psicografada pelo médium Afro Stefanini II, na Spiritist Society of Palm Beach em Boca Raton, Flórida, em 22 de fevererio de 2017)
    Partilhar2

    Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/meditacao-diaria/eis-me-aqui/#ixzz4bmex7fXy

  14. 18, julho, 2017 em 11:44 | #14

    A DIVINA ARTE DE VIVER

    VIVA JESUS!

    Bom-dia! queridos irmãos.

    O Espiritismo nasce em 1857 carregando uma bandeira peculiar. Embora sem relatar uma novidade quando comentou sobre a reencarnação, o fato é que demonstra, através de sua rica filosofia, os detalhes deste processo, costurando questões evolutivas de forma coerente com a existência de um Criador Perfeito, Onipotente, Onisciente, totalmente Justo e Bom. Embora outras religiões também afirmem a questão da reencarnação, somente o Espiritismo dá a este tema uma característica robusta, que se sustenta, desde que, como comentei, levemos em conta um Deus Perfeito. A Doutrina Espírita nos explica os fundamentos desta teoria, afirmando de onde viemos, por quais motivos aqui estamos e para onde iremos após esta passagem pela Terra.

    Segundo a religião:

    – Somos almas imortais.

    – Fomos criados por Deus.

    – Estamos em um processo de evolução contínua.
    A Terra é uma das possíveis experiências, com relativa perda de memória, para colocarmos em prática aprendizagens já realizadas e aprendermos novos conceitos.

    Ao sairmos desta experiência reencarnatória, seguimos para o Mundo Espiritual – nossa verdadeira casa, já que somos Espíritos e não corpo. E, sendo Espíritos, obviamente precisamos viver aqui de acordo com nossa natureza espiritual, tendo o material como veículo e meio, nunca como um fim em si mesmo.

    Não nascemos para nos cobrir de ouro, mas para sentir e espalhar mais amor.

    Mecanismo de defesa para a evolução

    Entendemos que a alma se expressa e sente o meio através do corpo, sendo que este corpo mais denso, que conseguimos ver e tocar, carrega informações genéticas do nosso sistema familiar, mas não somente. Ele também é herdeiro de uma evolução da espécie humana (filogenética), portanto possui limites e possibilidades dentro desta categoria. Desta maneira, não conseguimos voar, tampouco viver embaixo da água. Mas não apenas isto. Nosso cérebro foi equipado com um sistema de proteção bastante interessante. Não, não se trata da caixa craniana, formada por um osso duro, mas por um dispositivo de proteção automático, que nos faz escapar de ameaças iminentes ou lutar contra elas, imediatamente, sendo que este mecanismo é mais forte e intenso do que o mecanismo do prazer. Sendo assim, fisicamente estamos programados para registrar e valorizar muito mais aspectos negativos da existência que os positivos. Costumo dizer para as pessoas que, obviamente, é mais importante fugirmos de um leão que encontrarmos e nos alegrarmos com um morango silvestre. Muito mais urgente. Então estamos dizendo que existe um conflito de interesses, afinal buscamos a felicidade na Terra, porém temos uma máquina programada para registrar, destacar e valorizar mais o negativo que o positivo da experiência.

    Neurocientistas comentam que, sendo assim, precisamos de mais inputs positivos que negativos. E estes inputs não devem ser apenas nas experiências com o meio, mas imposições mentais, nas quais conversamos conosco, reafirmando as coisas boas que nos acontecem, trazendo-as à consciência e sendo gratos a elas. (1)
    Costumo indicar aos meus pacientes que montem um caderno especial da gratidão. Todas as noites, devem registrar ao menos 5 fatos significativos que aconteceram no dia e que devem receber destaque na consciência, mais uma vez. Este é um exercício muito interessante, capaz de alterar estruturas mentais construídas com outros direcionamentos. Traz imediato bem-estar, aliás.

    Com o avanço da ciência, graças aos equipamentos de neuroimagem, pudemos, nos últimos 20 anos, dar um salto na questão de aprendizagem sobre nossos cérebros. Pudemos entender que ele possui uma plasticidade, que conseguimos alterar sua estrutura, tanto para melhor como para pior, através dos nossos pensamentos e postura de vida. Portanto, compreender aspectos sobre a arte do bom viver pode não somente mudar nosso humor, como até mesmo nosso órgão cerebral. E isso é algo maravilhoso, pois quando este se altera, a força dos pensamentos positivos se potencializa. Eis um círculo virtuoso que nasce!

    Mas não se trata de criar um mundo cor-de-rosa, imaginário, Poliana. E sim voltar nosso olhar para o real, no aqui e no agora, juntos da experiência, com consciência e amorosidade ao Eu e ao Mundo. Pois, quando aprendemos a nos amar, buscamos na vida o que ela tem de melhor a nos oferecer, dando em retorno, também, o nosso melhor.

    Jesus e o sentido da vida

    Quando o querido Mestre esteve entre nós, comentou que devemos aprender a amar, a perdoar, a doar, a aceitar as experiências com entendimento, humildade, fé, esperança, justiça e coragem. Já naquele tempo comentou como a ansiedade nos fazia mal. Questionava por que andávamos tão ansiosos pelas coisas materiais, se Deus pode sim nos prover do necessário e que bastaria fizéssemos o que Ele nos ensinava, ou seja, que caminhássemos de acordo com a grande Lei, fazendo o nosso melhor. Acontece que esta afirmativa, contida no sermão do Monte, traz em si mesma uma complicação, quando não lhe emprestamos um olhar profundo, espiritual e reencarnacionista. Pois, como estar calmo diante da vida, se não consigo ainda ser tão bom quanto me pede o próprio Jesus? Se a Lei de Deus, se o Reino é amor e sabedoria, como conseguir ter o necessário se ainda não consigo caminhar na Terra sendo verdadeiramente justo e bom?
    Ora, como tudo o que há, precisamos nos esforçar para compreender a lente divina, que conhece profundamente nossas possibilidades e limites. Deus não pediria de seus filhos mais do que eles podem dar. Logicamente que vamos errar, que vamos continuar com dificuldades nas questões morais, por algum tempo, entretanto levemos em conta nossa boa vontade, nossa intenção de fazer o bem, de construir um mundo melhor, através de nossas ações no mundo. E obviamente esta intenção e persistência sempre é levada em conta. Não nos será pedido que sejamos santos em um dia, mas que no espaço dos dias sejamos intensos na intenção e na disposição.

    E o que seria Sentido de Vida? Resumidamente, podemos dizer que se trata de realizar aqui o nosso melhor, com o que carregamos de valores e talentos. Os valores nos dão o norte positivo nas ações, os talentos nos indicam as áreas em que podemos atuar no mundo. Por exemplo: um bom médico usa seus talentos para se tornar e realizar a profissão de médico, mas os valores é que fazem com que seja verdadeiramente humano e bom em seus atendimentos, sendo, então, um profissional completo. Sendo assim, vive de acordo com seus talentos e valores e, por consequência, consegue manter-se firme diante dos embates que a vida apresenta e se torna resiliente, pois, assim como dizia Nietzsche, quem tem um porquê enfrenta qualquer como.

    Joan Garriga Bacardi já dizia que a boa jornada de uma alma consiste em que descubra seus talentos, que saiba quais as feridas e as sane e, por último, que viva de acordo com o fluxo da vida, aceitando o inevitável, alterando o possível, amando sempre.

    Claudia Gerlernter

    Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/outros-temas/a-divina-arte-de-viver/#ixzz4NLniXfNg

  15. 27, outubro, 2017 em 14:34 | #15

    AS GRANDES TRIBULAÇÕES PLANETÁRIAS

    VIVA JESUS!

    Boa-noite! queridos irmãos.
    “Hoje quem causa os cataclismos somos nós e não a natureza, estamos vivendo a maior crise ambiental da história da humanidade.” – André Trigueiro
    Com a partida de Jesus da Terra, acelera-se a decadência do Império Romano, começando longo período de guerras, de perseguições e morte dos discípulos, porque muitos algozes acreditavam prestar inestimável serviço ao Império apontando supostos hereges e matando os portadores da Boa Nova.
    Estes instantes dolorosos assinalariam a renovação planetária. As calamidades que adviriam, provocadas pela maldade dos homens, são tantas, que se não houver a intervenção da Providência Divina, nada mais será respeitado na Terra. Porém a Providência é vigilante e no momento oportuno colocará um fim à loucura dos homens. Antes de chegar esse momento de transição, a violência, a sensualidade, os escândalos e a corrupção atingirão níveis jamais pensados, enquanto as enfermidades degenerativas, os vícios, os desvarios sexuais clamarão por paz, pelo retorno da moral.Os flagelos como inundações, epidemias, secas levam à dor e ao sofrimento grande parte das populações, porque o egoísmo, traduzido no privilégio das minorias, impede que recursos avançados da ciência sejam aplicados de forma a eliminar ou diminuir seus danosos e dolorosos efeitos. Entretanto, à medida que a ciência vai progredindo, o homem os vai dominando, isto é, pela pesquisa das causas, pode prevenir-se. No entanto, há flagelos como temperaturas altíssimas ou muito baixas que o homem ainda não pode controlar, mas, por sua negligência, poderá agravá-los.
    Observamos que as guerras fraticidas sucedem-se em todos os tempos, semeando a orfandade e a viuvez, a dor e a desolação, tudo atentado contra o preceito cristão devido ao egoísmo, à posse, à vaidade, à ganância dos homens, ocasionando pestes, fome, terremotos em diversos lugares, porém, para que a humanidade progrida, não são necessárias as guerras, pois a evolução se processa sem provocar abalos e sem produzir ruínas. Entretanto, como os homens não querem obedecer à Lei de Progresso, acabam se apegando demais às instituições e às ideias do passado, produzindo atritos, degenerando-se em conflitos de onde advém o caráter penoso das transições.
    Vemos nações armando-se de todos os meios possíveis e inimagináveis, gerando engenhos mortíferos e terríveis e dificilmente pode-se prever as consequências de uma guerra nuclear que abalará o mundo, conforme prognosticado no Apocalipse, capítulo oito, versículos sete a doze, segundo o apóstolo João, ocasionando a destruição de apreciável parcela da humanidade.
    Às vezes, é necessário que o mal chegue ao excesso para se tornar compreensível a necessidade do bem e das reformas. A civilização organizada para a guerra e vivendo para a guerra há de cair inevitavelmente, mas o futuro nascerá dos seus escombros para um novo ciclo da humanidade, sem os extremismos antirracionais.
    O Livro dos Espíritos nas questões 735 e 743 afirma claramente que “Entre os flagelos produzidos exclusivamente pelo homem sobreleva a guerra e esta desaparecerá da face da Terra quando a humanidade compreender a justiça e praticar a Lei de Deus, podendo entender que, quando a destruição excede os limites da necessidade, se torna uma violação da Lei Divina”. Gandhi também nos lembra que “A Terra pode oferecer o suficiente para satisfazer as necessidades de todos os homens, mas não a ganância de todos os homens”. E Dalai Lama judiciosamente elucida que “A destruição da natureza resulta da ignorância, da cobiça e ausência de respeito para com os seres vivos do planeta. Muitos habitantes da Terra: animais, plantas, insetos e até mesmo micro-organismos que já são raros ou estão em perigo podem tornar-se desconhecidos das futuras gerações. Temos a capacidade, a responsabilidade e precisamos agir antes que seja tarde”.
    O Mestre afirmou que ocorreria a multiplicação da iniquidade a tal ponto que enfraqueceria a fé de muitos. Na realidade, a violência e a iniquidade reinaram e reinam em todas as épocas da humanidade. Para o Espiritismo tudo isto está relacionado com as vidas sucessivas, explicado na Lei da Reencarnação. Segundo Mateus, é apenas o começo (Mateus,13:40-43.)
    Vemos fenômenos sísmicos aterradores sacudirem o orbe com frequência, despertando a solidariedade de outras nações. Enquanto armas ditas inteligentes ceifam milhares de vidas a serviço da guerra, em revoluções intermináveis, outras tantas buscam a paz, ajudando as vítimas dos desvarios humanos. São esses paradoxos da vida em sociedade que a grande transição tem lugar no planeta, para que haja a transformação.
    Percebemos que as tragédias naturais como tsunamis e terremotos têm como objetivo acelerar a evolução da humanidade; constatamos que é preciso que tudo seja destruído a fim de que possa renovar-se, ou seja, não é Lei de Destruição, mas sim de transformação.
    Quando a humanidade estiver madura para subir um degrau, pode-se dizer que são chegados os tempos marcados por Deus, como pode-se dizer também que eles chegam para a maturação dos frutos e sua colheita.
    Vivemos atualmente uma época de transformação denominada Período de Transição, que nos apresenta aceleradas transformações na estrutura geológica e atmosférica do planeta, assim como convulsões sociais e morais, e acelerado desenvolvimento tecnológico e científico.
    As tempestades passarão e o céu reaparecerá em sua limpidez. A obra divina se expandirá em um novo surto. A fé renascerá nas almas e novamente se irradiará, mais fulgurante sobre o mundo regenerado, o pensamento de Jesus. Não nos restam dúvidas de que são condições portadoras de inquietude. Todavia, a Terra não deverá transformar-se por meio de um cataclismo que aniquile de súbito uma geração. A atual desaparecerá gradualmente e a nova lhe sucederá do mesmo modo, sem que haja mudança alguma na ordem natural das coisas.
    O Evangelho do Mestre ainda encontrará, por algum tempo, a resistência das trevas. A má-fé, a ignorância, o império da força conspirarão contra o Evangelho, mas o tempo virá em que sua ascendência será reconhecida. Nos dias de flagelo e de provações coletivas, é para a sua luz eterna que a humanidade se voltará tomada de esperança. Então, novamente, se ouvirão as palavras benditas do Sermão da Montanha e, através das planícies, dos montes, dos vales, o homem conhecerá o caminho, a verdade e a vida.
    Mahatma Gandhi afirmou: “O Sermão da Montanha é o resumo do Cristianismo”, destacando: “sejamos nós a mudança que queremos ver no mundo”.
    Bibliografia:KARDEC, Allan – A Gênese – 28ª edição – Rio de Janeiro – RJ – Editora FEB – 1985 – capítulos: 17, itens 10, 15 e 47; capítulo 18, itens 1, 8, 9, 10, 20, 27 e 28.
    Temy Mary Faccio Simionato
    Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/outros-temas/as-grandes-tribulacoes-planetarias/#ixzz4wLBr8tK3

  16. 27, outubro, 2017 em 14:35 | #16

    OS OLHOS DO SENHOR REPOUSAM SOBRE OS JUSTOS, E OS SEUS OUVIDOS ESTÃO ABERTOS AO SEU CLAMOR: (SL.34.15)

    O OLHAR DE JESUS

    VIVA JESUS!

    Boa-tarde! queridos irmãos.

    Eu fico aqui conversando com os meus botões e procurando me entender comigo mesmo e, ao mesmo tempo, com as interferências desses amigos botões que deslocam as minhas reflexões ao universo invisível de mim mesmo.
    Mas… vamos lá! Vamos falar de assuntos mais empolgantes, que nos acordem e nos façam sair de nós mesmos ao encontro da realidade.
    A realidade – chego à conclusão – deve ser olhada com carinho, ao estilo nobre do olhar de Jesus: o nosso guia e modelo de perfeição.
    É o olhar tríplice da realidade: benevolente, indulgente e com o perdão das ofensas.
    O olhar de Jesus é todo caridade, é o amor em ação, promovendo à felicidade todos aqueles que necessitam de amparo material e espiritual.
    É o olhar da boa vontade para com todos, do querer bem e o bem a todos;É o olhar indulgente, doce por dentro, do qual emana doçura a todos indistintamente;
    É o olhar que a tudo e a todos perdoa, releva; pois reconhece as fraquezas e a falta de conhecimento que ainda pairam na caminhada…
    É o olhar que acalma e doa a doçura de si mesmo e se doa a cada instante para o bem da humanidade.
    E assim, Jesus percorre em nossos caminhos, olhando e cuidando atentamente de cada um de nós; pois Ele nunca nos abandonou e nunca nos condenou, nem nos abandona, nem nos abandonará, nem nos condena, nem nos condenará.
    Que todos nós possamos nos inspirar em Jesus, que é o nosso guia e modelo de perfeição, procurando olhar as pessoas, os animais, a natureza, as situações e circunstâncias, ao modo de Jesus!
    Imaginemos cada um de nós, em particular, envolvidos numa situação difícil, a exemplo de uma crise financeira ou de relacionamento conjugal, ou mesmo uma enfermidade, ou simplesmente diante das arrogâncias de um vizinho temperamental etc….
    Agora, perguntemos a nós mesmos; mas, a cada um de nós, individualmente:
    – Se Jesus estivesse no meu lugar, como Ele procederia?
    – Quais seriam o olhar e as reações de Jesus?Imaginemos cada um de nós, em particular, no lugar de Jesus diante da mulher que lhe foi encaminhada sob a alegação de adultério!
    Qual seria o nosso comportamento diante daquela situação?!
    Mandaríamos atirar-lhe as pedras?
    Ou nós mesmos, de próprio punho, arremessaríamos pedras contra aquela mulher?
    Imaginemos os acontecimentos da atualidade, assim como nos julgamentos que fazemos uns dos outros, em nosso cotidiano corriqueiro, dos nossos líderes políticos, religiosos e comunitários, e assim por diante…
    Quantas pedras abstratas são lançadas contra os acusados de toda ordem?
    E quantas dessas pedras abstratas chegam a pesar mais do que as pedras concretas, deixando marcas profundamente agressivas nos corações muitas das vezes inocentes e/ou inofensivos?
    E quantas dessas pedras podem dificultar o progresso dos agressores e agredidos na marcha evolutiva?
    Que possamos estudar as teorias acadêmicas, ou não, em relação a Jesus!
    Que possamos saber de toda a história de Jesus e conhecer o Evangelho de cor e salteado!
    Que possamos falar e palestrar com elegância, com vocabulário impecável, a respeito de Jesus e do seu Evangelho!
    Mas que não esqueçamos nós da suma importância de entender e compreender Jesus!
    Porque, entendendo e compreendendo Jesus, encontraremos o melhor caminho para colocar em prática os seus ensinamentos, que é a verdadeira vivência da caridade, isto é:- No trato com os necessitados de toda ordem, prestemos a devida assistência, com boa vontade, ou seja, com benevolência;
    – Nos julgamentos que fizermos ao outro, que façamos com indulgência, com doçura, colocando-nos no lugar do outro;
    – E ao receber uma ofensa, que a recebamos com o perdão, entendendo e compreendendo a fraqueza alheia.
    E aqui, amigo leitor, fiquemos nós, imaginando e, ao mesmo tempo, contemplando o doce olhar de Jesus!

    E agora, volto aos meus botões e às minhas reflexões…

    HYEROHYDES GONÇALVES
    Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/meditacao-diaria/o-olhar-de-jesus-55929/#ixzz4b1pFdPht

    A Maçonaria Agora Reconhece Oficialmente o Olho Que Tudo Vê no Verso da Nota de Um Dólar!
    A face da moeda que aparece no lado esquerdo na gravura acima apenas reafirma a verdade que os maçons iluminados globais (“Illuminati”) criaram um plano para levar todas as nações do mundo a uma ditadura, uma economia e uma religião globais e depois colocar em cena seu Messias maçônico! Essa realidade também é demonstrada na arquitetura da Biblioteca do Arquivo Nacional, que mostramos no documentário.

    Como os observadores atentos aos eventos atuais agora podem ver de forma bem clara, esse plano maçônico cumpre perfeitamente a profecia bíblica, e está quase concluído.
    Tradução: Marcelo N. Motta, Blog PensandoBiblicamente
    Data de publicação: 10/8/2008
    Revisão: http://www.TextoExato.com
    A Espada do Espírito: http://www.espada.eti.br/n2293.asp

    (GL.1.9) ASSIM COMO JÁ DISSEMOS E AGORA REPITO: QUEM TEM UM OLHO NA TERRA DE CEGOS É REI DE IS RAEL.

    Arnaldo Ribeiro
    Resumo Profético: Características do Messias o Cristo Maçonico o …
    vossaredencao.blogspot.com/2010/08/caracteristicas-do-messias-o-cristo.html16 de ago de 2010 – Descendente do Rei David, ele profetizará uma era de paz mundial. O Messiasserá um ser humano normal, nascido de pais humanos.

  1. Nenhum trackback ainda.