Página Inicial > Uncategorized > A Indignação dos Espíritas

A Indignação dos Espíritas

emmanuel

A Indignação dos Espíritas

Em face do artigo intitulado “Considerações acerca da Veracidade e da Historicidade da assim denominada Carta de Públio Lêntulo”, tendo como autor o pesquisador Sr. José Carlos Ferreira Fernandes, publicado no Blog intitulado “Obras Psicografadas”, desenvolvo o presente trabalho intitulado “A Indignação dos Espíritas“.

Importante esclarecer aos leitores que o autor do artigo em comento, desenvolve um trabalho de pesquisa de cunho histórico, tendo como objeto de estudo os dados apresentados no livro “Há Dois Mil Anos”, de autoria do Espírito Emmanuel, e psicografado pelo médium Chico Xavier.

Segundo as palavras apostas na apresentação do referido trabalho, é dito tratar-se de pesquisa que “procura demonstrar de forma fortemente convincente que o livro “Há Dois Mil Anos”, “psicografado” por Chico Xavier, não passa de uma completa ficção. Em suma, é uma fraude histórica“. Em seguida, é afirmado que “há problemas desde a completa ignorância da construção dos nomes romanos, passando pela aceitação de documentos comprovadamente falsos e culminando na completa inexistência da entidade que teria ditado o livro, no caso, Emmanuel/Públio Lêntulo“ – acrescentando o texto que “as conseqüências disso para o kardecismo brasileiro, desnecessário dizer, são gravíssimas“. (Blog Obras Psicografadas) (grifei)

No que concerne à pesquisa histórica do artigo em comento, nada tenho a discutir, nem como questionar as fontes apresentadas pelo autor, a correlação de documentos ou entendimentos com o fato histórico aventado, pois não é minha área de conhecimento e pesquisa. Portanto, respeito minhas limitações e procuro não ser inconseqüente com avaliações despropositadas diante do trabalho alheio.

Entretanto, no que concerne ao comentário do autor quando assevera “das conseqüências disso para o kardecismo brasileiro“, não vejo onde, como ou porque, tal constatação iria atingir a Doutrina Espírita, caso o mesmo entenda que “kardecismo brasileiro” seja sinônimo de Espiritismo.

Primeiramente é fato que o Espiritismo tem suas bases estruturadas em cinco livros que compõem as Obras Básicas da Doutrina Espírita, e que nada têm a ver com o romance “Há Dois Mil Anos“ de Emmanuel/Chico, objeto de estudo do autor.

Em segundo lugar, o Espiritismo nada tem a ver com as opiniões pessoais do Espírito de Emmanuel, ou de seu médium Chico Xavier, como individualidades que são, e portanto livres para expressarem seus pensamentos, entendimentos e opiniões.

À esse respeito faz-se por oportuno pontuar que grande parte de tais pensamentos e opiniões não comungam em absoluto com os ensinamentos presentes nas Obras Básicas da Doutrina Espírita.

Nunca é demais ressaltar que todas as mensagens publicadas na Codificação, passaram pelo crivo do gênio racional e científico de Allan Kardec, que aplicou o sistema do Controle Universal dos Ensinos Espíritas, sob a supervisão efetiva de O Espírito da Verdade!

Portanto, se o autor do artigo em comento conhecesse da personalidade séria e investigativa de Kardec, saberia que este, prontamente ao se deparar com as mensagens psicográficas de Emmanuel e/ou André Luiz, teria feito um sério trabalho de pesquisa histórica, e iria com toda a seriedade e imparcialidade, na busca da veracidade ou não, das informações passadas pelo(s) Espírito(s). Quanto aos resultados, fossem eles quais fossem, seriam publicados sem a menor sombra de dúvida na REVISTA ESPÍRITA, com os devidos esclarecimentos e ensinamentos do insigne Codificador.Vale lembrar que Kardec, nunca deixou de publicar na referida revista, tudo o que pudesse ser objeto de análise, estudo e aprendizado para os novos Espíritas.

Confirmando esse entendimento, me reporto ao O Livro do Médiuns, quando o grande Mestre apresenta cinco “Comunicações Apócrifas”, esclarecendo que: “Há muitas vezes comunicações de tal maneira absurdas, embora assinadas por nomes respeitáveis, que o mais vulgar bom senso demonstra sua falsidade. Mas há aquelas em que o erro é disfarçado pela mistura com princípios certos, iludindo e impedindo às vezes que se faça a distinção á primeira vista. Mas elas não resistem a um exame sério.” (L.M, Cap. XXXI, COMUNICAÇÕES APÓCRIFAS, p. 343) (grifei)
Portanto, podemos assegurar que o artigo em comento em nada poderia abalar, ou muito menos por em risco a Doutrina dos Espíritos, codificada por Allan Kardec.

Entretanto, o que realmente choca, entristece, e preocupa aos Espíritas estudiosos da Codificação, foram as DUZENTAS E CINQUENTA E NOVE, contestações indignadas, ensandecidas, desrespeitosas, irreais, infundadas, e superficiais (com raras exceções), postadas por pessoas que se auto intitulavam ESPÍRITAS!

À título de exemplo, transcrevo algumas “pérolas”, para que os leitores analisem e avaliem a quantas anda o Movimento Espírita Brasileiro, ou melhor dizendo, no que se tornou o Movimento Espírita Brasileiro, senão vejamos:

1 – “Benditas sejam as fraudes do Chico e as falsas personalidades de seus guias, – seus alteregos – que conseguiram colocar milhões de desesperançados no caminho da luz, da esperança e da renovação!” (…) “Benditos sejam os mentirosos do Chico, que com seus teores de altíssima energia e vibrações, permearam maravilhosamente a todos que dele se acercavam , – eu inclusive, – e que deram graças a Deus dele ter nascido junto a nós, no Brasil! Volte, Chico, por favor, volte com suas trapaças, milhões o aguardam ansiosamente, irão comemorar o seu retorno à Terra e de seus falsos guias! Quantos outros irmãos serão curados espiritualmente e renovados na fé pela luz-fantasia de Emmanuel, André Luiz e tantos outros!” (Carlos Magno) (Blog Obras Psicografadas)

Observe-se que o artigo em comento, trata-se de uma pesquisa de cunho histórico, e não religioso!

2 – “Olhe, conheci o Chico e convivi com pessoas que o conheceram melhor do que eu, e ninguém jamais falou dele com esse veneno que você destila. Você o conheceu mesmo, se aproximou dele algum dia? Cresceu no espiritismo? Desculpe, não acredito, senão você teria aprendido um mínimo! Ou então dormia nas cadeiras!” (Carlos Magno) (Blog Obras Psicografadas)
Observe-se que o artigo em comento, trata-se de uma pesquisa de cunho histórico, e não religioso!

3 – “Ah, meu. Isso que é perder tempo, mesmo! Eu até admiro o trabalho todo para provar a inexistência de Emmanuel. Já que estamos falando de personagens inexistentes, que tal você postar o livro eletrônico da ateus.net que prova fatalmente a inexistência de Jesus? Daí matamos a pau tudo de uma vez! É o fim. Do Cristianismo e do Espiritismo. Um forte abraço! E coragem: porque nesse país quem fala o que quer, ouve o que não quer. Bem, você já deve ter notado isso. Mas tudo bem! A vida segue. E mais “Emmanuéis” aparecem. Boa diversão!”(Codename V.) (Blog Obras Psicografadas)

Em dado momento os ditos “Espíritas” resolvem “atacar” a moral do autor do artigo, senão vejamos:

4 – “O Sr. José Carlos Ferreira Fernandes por um acaso é aquele da SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, que foi acusado de gastar R$ 315.902,75 do dinheiro público sem justificatívas plausíveis, e também recentemente intimado a comparecer a depor na CPI a respeito do vazamento do dito Dossiê…..Em caso positivo, vemos que trata-se de um trabalho com lastro não é…. Abraços fraternos……” (André) (grifei) (Blog Obras Psicografadas)

No que concerne à supra citada postagem o intermediador responde:

5 – “Não, não é. E mesmo que fosse, isso em nada macularia seu estudo. O raciocínio que você faz é falacioso, conhecido como ad-hominem, em que ao invés de criticar a obra, critica o autor.” (Vítor) (Blog Obras Psicografadas)

Vejamos agora o posicionamento desta opositora:

6 – (…) “Os “filhotinhos” aos quais me referi são todos brasileiros e, logicamente, mais novos do que Chico Xavier, que foi para os médiuns, o que o Papa é para os católicos. Nenhum médium que se prezasse, debutaria sem pedir a sua bênção“. (…) (Sônia) (grifei) (Blog Obras Psicografadas)

Agora a “Espírita” “ataca” o Sr. José Carlos, através do catolicismo, que parece ser a religião professada pelo dito pesquisador:

7 – (…) “Ah! meu caro José Carlos, o Catolicismo Romano e o Vaticano não merecem isso de mim e de ninguém. Bastam-lhes o horror que semeiam e a peçonha que espalham ao longo de 1.600 anos de dominação e manipulação, tanto de “nobres”, quanto “burgueses”. Com a mesma determinação, desprezam e mantêm propositalmente, na ignorância e na miséria, as massas incontáveis de injustiçados, através de “tratados”, “concordatas” “bulas”, “encíclicas” e outras invenções, com a finalidade principal do enriquecimento ilícito e do poder que vem com o dinheiro. Sem contar, os “milagres” inventados com a mesma vil finalidade.” (…) (Sônia) (Blog Obras Psicografadas)

E assim foram se posicionando os quase DUZENTOS E CINQUENTA E NOVE opositores ESPÍRITAS, diante de um artigo de cunho histórico que procura provar através de uma pesquisa bibliográfica a não existência de um documento e/ou de um personagem dito histórico!

Observem que não compareceu dentre os DUZENTOS E CINQUENTA E NOVE opositores, um único pesquisador, ou intelectual Espírita, que se posicionasse de forma coerente, elegante, equilibrada, acatando ou pondo em cheque, não a Doutrina Espírita, que nada tem a ver com o objeto de estudo do Sr. José Carlos, mas o método de investigação em si mesmo, já que o referido autor só se ateve a pesquisa bibliográfica – ou seja – a única discussão cabível ao caso seria no âmbito científico da pesquisa e só!!!!

Em contrapartida, o leitor depara-se com uma enxurrada de opositores fanáticos, dogmáticos, despreparados que podem ser tudo no mundo menos Espíritas! Pois como se auto intitular Espírita se não estudamos a Doutrina que dizemos abraçar?

De que adianta se apegar ao discurso “piegas” de “meus irmãos vamos nos amar, fazer caridade, ser humildes, perdoar os inimigos, etc.,”, bem próprio do Espírita preguiçoso, da turma do “deixa disso”, (bem diferente de JESUS ou de KARDEC, que nunca tiveram medo de demonstrar sua indignação) e que não têm coragem nem disposição para se debruçar sobre o manancial de ensinamentos trazidos nas Obras da Codificação Espírita?

Se todos os que se auto intitulam Espíritas, se dessem ao trabalho de estudar no mínimo, O Livro dos Espíritos e O Livro dos Médiuns, a Doutrina Espírita não teria tomado os rumos mistificados que tomou, tornando-se uma seita dogmática, que tem segundo a “Espírita Sônia“, um PAPA que seria o médium Chico Xavier; já que todo o Espírita que se preze deve saber no mínimo que o Espiritismo não é uma religião institucionalizada com hierarquia!

Diante do exposto, entendo que precisamos URGENTEMENTE de um movimento em prol do estudo das Obras Básicas da Codificação, para que a Doutrina Espírita não se perca em seus princípios, como aconteceu com os ensinamentos de Jesus.

Diante dos rumos que estão sendo tomados, é fácil imaginar que daqui a um século (ou menos que isso) a humanidade não terá mais que uma remota idéia dos princípios espíritas, posto que as Obras Básicas já estarão totalmente alteradas (como já se tentou fazer com o Evangelho Segundo o Espiritismo), seus princípios desvirtuados, a figura de Allan Kardec obviamente esquecida, e quem assumirá a total representatividade da Doutrina Espírita, será o médium Chico Xavier, e as OBRAS COMPLEMENTARES ditadas pelo Espírito de Emmanuel e/ou André Luiz, serão as obras de referência para o estudo do Espiritismo.

Portanto Espíritas, “despertemos” para realidade que se afigura aos nossos olhos! Ainda é tempo de nos debruçarmos e estudarmos a Codificação Espírita trazida a tão pouco tempo pelos Espíritos Superiores, sob a égide do Espírito da Verdade, para que possamos ter a segurança e a coragem de rechaçar as fraudes.

Precisamos resgatar a Doutrina Espírita, salvando-a da crueldade que se faz quando a deturpam e distorcem seus princípios, objetivando a Morte de sua própria essência! Sim, isso é uma espécie de morte! O extermínio da Doutrina dar-se-á pelo desvirtuamento de seus princípios, privando-se assim as próximas gerações do acesso às verdades consoladoras e libertadoras da Doutrina que veio em meados do século XIX, para alavancar a humanidade de seu estado de ignorância e sofrimento.

Outro aspecto importantíssimo que não se pode relegar a segundo plano, é o momento do retorno ao plano espiritual, quando nos defrontaremos com o Tribunal de Nossa Consciência. Como será desesperador assumirmos que participamos de forma ativa ou omissiva de uma “teia” ardilosamente arquitetada para destruir os Preceitos Espíritas!

Nesse sentido, não poderemos nem sequer argüir em nossa defesa a “ignorância“, pois tivemos em nossas mãos as armas para nos defendermos dela, que eram as Obras Básicas.

Daí, enfrentaremos a vergonha e o remorso no âmago de nosso Espírito imortal! Primeiramente diante de Deus e de nós mesmos. Em seguida, perante Jesus, perante nosso Guia Espiritual, perante Allan Kardec, e toda a plêiade de Espíritos Superiores, como tantos outros que trabalharam na condição de encarnados como médiuns da Codificação, dando tudo de si em benefício do progresso da humanidade!

E nesse momento de dores acerbas, certamente Chico, Emmanuel e André Luiz não estarão presentes para interceder por ninguém, pois estarão provavelmente como todo Espírito errante, prestando suas próprias contas e avaliando seus atos. Se estiverem encarnados, estarão provavelmente, trabalhando pela reconstrução da Doutrina dos Espíritos. Essa é a Lei.

Por Maria das Graças Cabral

  1. Carlos Magno
    26, outubro, 2013 em 21:10 | #1

    “No que concerne à pesquisa histórica do artigo em comento, nada tenho a discutir, nem como questionar as fontes apresentadas pelo autor, a correlação de documentos ou entendimentos com o fato histórico aventado, pois não é minha área de conhecimento e pesquisa. Portanto, respeito minhas limitações e procuro não ser inconsequente com avaliações despropositadas diante do trabalho alheio.”

    Casualmente cai em seu blog, porque me interesso, também, pela doutrina espírita, quando ela é comentada por pessoas ou seguidores não ortodoxos, não fanáticos, nem pseudo conhecedores.

    O blog Obras Psicografadas é uma piada de mau gosto, chega a ser pornográfico. Lá não se estuda coisíssima alguma senão unicamente a maneira mais chocante de como atacar o Chico e arrasar com a doutrina espírita.

    Mas a doutrina espírita continua praticamente intacta, desde o seu primórdio, apesar de, por outro lado, os inúmeros apelos e até mensagens de comunicadores, para que viesse a se adequar a estes tempos em que a ciência desnuda muitos dogmas criados por ela própria, ou inapropriadamente criados por religiosos.

    A doutrina continua sendo chamada de a consoladora, a grande reveladora para a humanidade, quando na realidade é um “Movimento Codificado” trazido por um missionário, não mais importante que Gandhi, Gautama, Krishna, Ramatís e inúmeros outros.

    E a reencarnação, a lei do Carma ou de Causa e Efeito – a plataforma filosófica e principal da doutrina – já era sabiamente conhecida desde um passado remoto, anterior até ao Livro dos Vedas – e isto recua em mais de 8.000 anos talvez 15.000anos ou mais. Os egípcios de mais de 2.000 anos atrás, cansaram de se manifestar sobre reencarnação, fazer hipnose, “mesmerismos”, curas com passes magnéticos, operações mediúnicas, regressões mentais-espirituais, e tantas outras coisas que hoje ainda se fazem e pensam que são originais.

    Você sabia que Kardec aprendeu muito destas pesquisas quando, na França, nesta sua reencarnação como Hippolyte Léon Denizard Rivail foi da maçonaria? Aposto que sabia.

    O seu comentário tem muitas incoerências. A começar pelo “tirar o corpo fora” como eu destaquei entre aspas, ali no primeiro parágrafo deste texto. O José Carlos nem pesquisador é, e ataca o Chico com uma pesquisa pseudo histórica, não oficial evidentemente, logo não reconhecida por nenhuma instituição regulamentada por lei, onde “descobre” que Públio Lêntulo não existe. Com isso desejou demonstrar, como católico que é, que o Chico Cândido Xavier era um mentiroso e farsante e toda a sua magnífica obra é uma só mentira. E os céticos comentaristas adoraram as pauladas e concordaram que Emmanuel não existe porque o José Carlos descobriu tudo.

    O mundo evolui para outros patamares e já entramos há pelo menos três décadas na “Era Espacial”. Há visitantes alien por toda a parte, há imenso perigo rondando a Terra pelos alien invasores do mal com altíssima tecnologia destrutiva, que andam chipando milhões e causando enorme trabalho aos Mestres e trabalhadores de nossas dimensões físicas e as superiores. E um imenso séquito (não todos da doutrina felizmente) do espiritismo permanece sonâmbulo e sem a menor vontade de acordar para este fato que outras instituições nobres de pesquisa, estudos da alma e espírito e de grandes obras humanitárias, reconhecem. Espíritas falam mal de Ramatís, o mais criticado simplesmente porque não o entendem, não querem entendê-lo e porque ele não fala o idioma dos espíritas e traz conhecimentos de que duvidam porque querem duvidar, e desprezam outros como ele, que buscam despertar religiosos e a humanidade não religiosa para a realidade cósmica do presente.

    A doutrina serviu? Sim, evidente, e ainda serve, mas já estamos em 2013 – terceiro milênio, 2013 – e é necessário aos intelectuais do espiritismo adequá-la a uma realidade mais concreta do mundo atual sem naturalmente violentá-la. Não há absolutamente nada que não necessite evoluir, as próprias leis da natureza demonstram isto inequivocamente

    Tudo evolui, prezada, tudo. E a ciência já alcança patamares que desmentem muitas assertivas repetidas por religiosos de TODAS as religiões que não entenderam, que não conseguiram voar com as mentes um pouco além das linhas doutrinárias religiosas, que não intuem verdadeiramente. A história da humanidade é bem mais complexa, inimaginável para mentes comportadas; é bem mais cheia de compartimentos, de capítulos e realidades fantásticas que, mesmo Kardec, hoje, conhecendo-a nos seus labirintos, teria imensas dificuldades de explicar o conhecimento.

    E para terminar: deem muitas graças a Deus por Chico ter existido, por ter reafirmado a voz do missionário Kardec, e explicado melhor a vocês em um nível ou dimensão que pudessem entender, algumas das enigmáticas parábolas do grande Avatar Jesus.

    Agradeçam sim, a ele, todos os dias, ou o cardecismo seria hoje aqui no Brasil, no mínimo, mais uma crença obscura, mantida por algumas poucas centenas de seguidores.

    Carlos Magno

  2. 11, junho, 2014 em 17:11 | #2

    Carlos Magno, se tu tivesses estudado a Doutrina Espírita, terias resumido todo esse comentário a esta frase: Chico Xavier não é espírita.

  3. CARLOS MAGNO
    19, julho, 2014 em 12:16 | #3

    Estudei sim a doutrina espírita, por isso escrevi esta “irrelevante” mensagem.

    Ouvi da própria doutrina espírita que diariamente devemos avançar em nossos conhecimentos e convicções. Em se tratando de religião, neste caso, o risco é grande, é enorme mesmo de o espiritismo fatiar-se em ortodoxias, paroxismos e fantasias, acobertados por muitos de seus doutrinadores de olhares cândidos e fisionomias circunspectas a pregarem a doutrina estacionária em tempos de revoluções da ciência, de novos parâmetros filosóficos e, extraordinariamente, de contatos em diversos graus por Mestres cósmicos.

    Aliás, está bem claro que isto já acontece com o espiritismo cardecista….

    Preste bem atenção Fernando Gomes: Não há verdades “absolutas” que não devam ser periodicamente revistas, corrigidas, atualizadas e aprimoradas, ou estacionam no tempo.

    O Chico foi o mais autêntico espírita de todos os tempos.

  1. Nenhum trackback ainda.