Arquivo

Textos com Etiquetas ‘Chico Xavier’

A PEDRA E O JOIO

15, abril, 2013 Sem comentários

Jorge RizziniA PEDRA E O JOIO

Jorge Rizzini

A doutrina espírita tem sofrido agressões dentro do próprio movimento doutrinário, de que são exemplos o roustainguismo, o ramatisismo, o “espiritismo divinista” de Oswaldo Polidoro, as campanhas contra o aspecto religioso do espiritismo, a pretensa superação da obra de Allan Kardec e as ridículas mistificações psicográficas que proliferam em quantidade assombrosa de norte a sul do País.

A propósito escreveu Herculano Pires: “Urge que os espíritas sensatos e responsáveis tomem posição contra essa avalanche de absurdos, tenham a coragem e a franqueza de falar a verdade em defesa do espiritismo doa a quem doer”.

Leia mais…

A Indignação dos Espíritas

15, abril, 2013 3 comentários

emmanuel

A Indignação dos Espíritas

Em face do artigo intitulado “Considerações acerca da Veracidade e da Historicidade da assim denominada Carta de Públio Lêntulo”, tendo como autor o pesquisador Sr. José Carlos Ferreira Fernandes, publicado no Blog intitulado “Obras Psicografadas”, desenvolvo o presente trabalho intitulado “A Indignação dos Espíritas“.

Importante esclarecer aos leitores que o autor do artigo em comento, desenvolve um trabalho de pesquisa de cunho histórico, tendo como objeto de estudo os dados apresentados no livro “Há Dois Mil Anos”, de autoria do Espírito Emmanuel, e psicografado pelo médium Chico Xavier.

Segundo as palavras apostas na apresentação do referido trabalho, é dito tratar-se de pesquisa que “procura demonstrar de forma fortemente convincente que o livro “Há Dois Mil Anos”, “psicografado” por Chico Xavier, não passa de uma completa ficção. Em suma, é uma fraude histórica“. Em seguida, é afirmado que “há problemas desde a completa ignorância da construção dos nomes romanos, passando pela aceitação de documentos comprovadamente falsos e culminando na completa inexistência da entidade que teria ditado o livro, no caso, Emmanuel/Públio Lêntulo“ – acrescentando o texto que “as conseqüências disso para o kardecismo brasileiro, desnecessário dizer, são gravíssimas“. (Blog Obras Psicografadas) (grifei)

Leia mais…

OS MITOS NA DOUTRINA ESPÍRITA

29, junho, 2012 1 comentário

1 – O Brasil é a Pátria do evangelho.

O Brasil será um dia a Pátria do evangelho se trabalharmos duro para isto, senão acontecerá conosco o que aconteceu com a França, berço do espiritismo, esta obra é de responsabilidade dos encarnados, é a nossa parte.

2 – Os livros psicografados pelo irmão Chico Xavier são a continuação da obra de Allan Kardec.
Os livros psicografados pelo irmão Chico Xavier são os responsáveis pela popularização do espiritismo no Brasil, mas não são obras Doutrinárias, não servem para estudos, são como o leite para as crianças, já os adultos precisam de alimentos mais sólidos.

3 – O uso da palavra humildade.
A palavra humildade é comumente usada como instrumento de dominação.
Ex. Você está discordando do mentor da casa espírita? Cadê a sua humildade, quem é você pra falar isto, seja humilde não critique, aceite tudo que lhe for imposto. Não dê a sua opinião pra nada, isto é pretensão sua, você não é nenhum espírito evoluído…
A humildade é um sentimento íntimo, não é aparência exterior, é o conhecimento de si mesmo, o espiritismo bem compreendido e vivenciado leva naturalmente a sermos cada vez mais humildes.
Leia mais…

O Analfabetismo Doutrinário dos Espiritas

5, maio, 2012 1 comentário

Eu já conheço “a verdade”, pra que perder tempo com “a mentira”?
O que travou a evolução do pensamento filosófico e científico por quase mil anos na história da humanidade foi esta falácia.

Exatamente o tipo de pensamento que tem estagnado o desenvolvimento da doutrina espirita em bases racionais.

Se na Idade Média, o pensamento filosófico estava escravizado pela tutoria da Igreja Católica hoje o espiritismo esta escravizado pelo que dita Chico Xavier e suas fantasias mediúnicas.

Leia mais…

EMMANUEL, KARDEC E A CODIFICAÇÃO ESPÍRITA

4, maio, 2012 3 comentários

 “Emmanuel, sem dúvida alguma, é o Espírito que mais prestígio tem no cenário espírita brasileiro”. O seu trabalho junto ao médium mineiro Chico Xavier, é notável em todos os aspectos. Se o Chico triunfou no seu mediunato, não podemos negar, muito deve ao seu Guia Espiritual, Emmanuel, cujo trabalho literário é extenso e envolve todos os ramos do conhecimento. Seus romances são joias de inestimável valor. Todavia, mesmo em meio a tanta admiração e respeito que nutrimos por esse Espírito, ainda encontramos lacunas e perguntas relacionadas a alguns assuntos, que nos parecem pouco explicados.
Leia mais…

O rustenismo nas obras de Chico Xavier

4, março, 2012 1 comentário

O rustenismo é deturpação perigosa, porque se alastra sorrateiro, não em suas obras principais, mas mediante livros psicografados por Chico Xavier. Conforme prevê o assim chamado “Pacto Áureo” (05/10/1949), “cabe aos espíritas do Brasil porem em prática a exposição contida no livro Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho, de maneira a acelerar a marcha evolutiva do Espiritismo”. Pois bem! Isto passou ao art. 63 do estatuto da Casa-Máter do rustenismo no mundo, que registra:

O Conselho [Federativo Nacional da F.E.B.] fará sentir a todas as sociedades espíritas do Brasil que lhes cabe pôr em prática a exposição contida no livro Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho, de Francisco Cândido Xavier.

Entre outras piadas de além-túmulo, no capítulo I desta obra, “a amargura divina” de Jesus “empolga” toda uma “formosa assembleia de querubins e arcanjos” e ele, “que dirige este globo”,[1] não sabe sequer onde é o Brasil. Não bastasse isto, no cap. XXII, o confuso Roustaing emerge do estatuto da F.E.B. para ser equiparado a L. Denis e a G. Delanne, figurando adiante destes na condição de cooperador de Kardec para “o trabalho da fé”. Subsiste ainda o questionamento levantado por Julio Abreu Filho em O Verbo e a Carne, isto é, por que Humberto de Campos se referiu a Roustaing, Denis e Delanne em Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho de 1938 e, no livro Crônicas de Além-Túmulo, de 1937, reportou-se tão só a Denis e Delanne?

Leia mais…