Arquivo

Textos com Etiquetas ‘doutrina espírita’

A PEDRA E O JOIO

15, abril, 2013 Sem comentários

Jorge RizziniA PEDRA E O JOIO

Jorge Rizzini

A doutrina espírita tem sofrido agressões dentro do próprio movimento doutrinário, de que são exemplos o roustainguismo, o ramatisismo, o “espiritismo divinista” de Oswaldo Polidoro, as campanhas contra o aspecto religioso do espiritismo, a pretensa superação da obra de Allan Kardec e as ridículas mistificações psicográficas que proliferam em quantidade assombrosa de norte a sul do País.

A propósito escreveu Herculano Pires: “Urge que os espíritas sensatos e responsáveis tomem posição contra essa avalanche de absurdos, tenham a coragem e a franqueza de falar a verdade em defesa do espiritismo doa a quem doer”.

Leia mais…

O Analfabetismo Doutrinário dos Espiritas

5, maio, 2012 1 comentário

Eu já conheço “a verdade”, pra que perder tempo com “a mentira”?
O que travou a evolução do pensamento filosófico e científico por quase mil anos na história da humanidade foi esta falácia.

Exatamente o tipo de pensamento que tem estagnado o desenvolvimento da doutrina espirita em bases racionais.

Se na Idade Média, o pensamento filosófico estava escravizado pela tutoria da Igreja Católica hoje o espiritismo esta escravizado pelo que dita Chico Xavier e suas fantasias mediúnicas.

Leia mais…

FALTA DE FORMAÇÃO DOUTRINÁRIA.

26, abril, 2012 Sem comentários

Sem a formação doutrinária, não teremos um movimento espírita coeso e coerente. E, sem coesão e coerência, não teremos Espiritismo. Essa a razão por que os Espíritos Superiores confiaram às mãos de Kardec o pesado trabalho da Codificação. Kardec teve de arcar, sozinho, com a execução dessa obra gigantesca. Porque só ele estava em condições de realizá-la. Depois de Kardec, o que vimos? Léon Denis foi o único dos seus discípulos que conseguiu manter-se à altura do mestre, contribuindo vigorosamente para a consolidação da Doutrina. Era, aparentemente, o menos indicado. Não tinha a formação cultural de Kardec, residia na província, não convivera com ele, mas soubera compreender a posição metodológica do Espiritismo e não a confundia com os desvarios espiritualistas da época.
Leia mais…

DICAS DE BOA LITERATURA ESPÍRITA

15, abril, 2012 1 comentário

 Temos todos notados à enxurrada de livros anti-doutrinário que vêm lotando as prateleiras de Centros e livrarias Brasil afora. Claro que cada um pode ler o que bem quiser, porém cabe sempre aos mais atentos informar que nem sempre as obras que são lançadas como sendo espíritas o são verdadeiramente, porque afrontam, sutilmente ou não, os mais elementares princípios da Doutrina Espírita. Infelizmente, há uma tendência – por pura ingenuidade e/ou desconhecimento – de se acreditar que toda obra mediúnica é confiável, ou seja, que deriva de uma fonte pura e que, consequentemente, está em conformidade com o que ensina o Espiritismo.

QUAIS SÃO AS OBRAS BÁSICAS DA DOUTRINA ESPÍRITA?

5, abril, 2012 1 comentário

  Temos percebido uma completa indefinição do que sejam, no Espiritismo, as obras básicas. Quem tiver a curiosidade de pesquisar, por exemplo na Internet, verá que a confusão se instalou no Movimento Espírita, tal qual uma nova torre de Babel.

Querem uns, inclusive, e esses não são poucos, relacioná-las a uma denominação usada por correntes religiosas apoiadas em livros sagrados, que acreditam conter as revelações divinas, quando, não sabemos o porquê, a tratam como o “Pentateuco” da Codificação. Vemos nessa atitude certa incoerência, mas como, infelizmente, muitos não conseguem se desligar do que aprenderam em suas religiões de origem, acabam, se não intencionalmente, pelo menos inconscientemente, trazendo para o nosso meio, coisas nunca ditas ou mencionadas pelo Codificador.

Leia mais…

UMBRAL E NOSSO LAR – UMA REALIDADE NÃO EXISTENTE EM FACE DE DOUTRINA DOS ESPÍRITOS.

1, abril, 2012 23 comentários

umbral fote

Desde a publicação do livro Nosso Lar pelo espírito André Luiz, psicografado pelo médium Chico Xavier, que o inferno católico transvestiu-se em ‘umbral’, alimentado pelo imaginário dos ‘espíritas’ ainda arraigados à dogmática católica. Por outro lado, a “cidade espiritual” denominada de “Nosso Lar“, tornou-se o céu, cujo destino é almejado por todos aqueles que sonham com a felicidade quando do retorno ao plano espiritual.

Leia mais…

Selo de qualidade espírita

15, março, 2012 Sem comentários

Se a Doutrina Espírita fosse de concepção puramente humana, não ofereceria por penhor senão as luzes daquele que a houvesse concebido. Ora, ninguém, neste mundo, poderia alimentar fundadamente a pretensão de possuir, com exclusividade, a verdade absoluta. Se os Espíritos que a revelaram se houvessem manifestado a um só homem, nada lhe garantiria a origem, porquanto fora mister acreditar, sob palavra, naquele que dissesse ter recebido deles o ensino. Admitida, de sua parte, sinceridade perfeita, quando muito poderia ele convencer as pessoas de suas relações; conseguiria sectários, mas nunca chegaria a congregar todo o mundo.
Quis Deus que a nova revelação chegasse aos homens por mais rápido caminho e mais autêntico. Incumbiu, pois, os Espíritos de levá-la de um pólo a outro, manifestando-se por toda a parte, sem conferir a ninguém o privilégio de lhes ouvir a palavra. Um homem pode ser ludibriado, pode

Leia mais…

Todos acreditam em espíritos ovoides?

27, fevereiro, 2012 5 comentários

“André Luiz refere-se a ovoides, espíritos que perderam o seu corpo espiritual e se veem fechados em si mesmos, envoltos numa espécie de membrana. […] A ação vampiresca desses ovoides é aceita por muitos espíritas amantes de novidades. Mas essa novidade não tem condições científicas nem respaldo metodológico para ser integrada na Doutrina. Não passa de uma informação isolada de um espírito. Nenhuma pesquisa séria, por pesquisadores competentes, provou a realidade dessa teoria. NÃO BASTA O CONCEITO DO MÉDIUM PARA VALIDÁ-LA. As exigências doutrinárias são muito mais rigorosas no tocante à aceitação de novidades. O Espiritismo estaria sujeito à mais completa deformação, se os espíritas se entregassem ao delírio dos caçadores de novidades. ANDRÉ LUIZ MANIFESTA-SE COMO UM NEÓFITO EMPOLGADO PELA DOUTRINA, EMPREGANDO ÀS VEZES TERMOS QUE DESTOAM DA TERMINOLOGIA DOUTRINÁRIA E CONCEITOS QUE NEM SEMPRE SE AJUSTAM AOS PRINCÍPIOS ESPÍRITAS. A ampla liberdade que o Espiritismo faculta aos adeptos tem os seus limites rigorosamente fixados na metodologia kardeciana”.

Escrito por José Herculano Pires no livro “O Vampirismo”